Shake energético pré treino

Ótimo para dar aquela energia antes do treino, para aqueles que não tem tempo de preparar uma refeição. Recomendado tomar 30 min antes do treino.

INGREDIENTES

– 200ml de Água de coco
– 100ml de Suco de laranja
– 6 Amoras ou Framboesas ou Morango
– 1 Dose de Whey Protein sabor baunilha ou neutro
– 5 pedras de gelo
– 1 Colher de sobremesa de oleo de coco
– 1 Colher de chá de canela

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva gelado

Benefícios do DHA

Estudos dos efeitos metabólicos dos ácidos graxos ômega 3, em especial o DHA, concluem que esses compostos podem ter mais benefícios para o nosso organismo além dos que já conhecemos. Foi descoberto agora que atuam na prevenção de doenças do fígado.

A pesquisa, feita por cientistas da Universidade do Estado de Oregon e outras instituições, foi uma das primeiras de seu tipo a usar metabolômica, uma análise de metabólitos que refletem os efeitos biológicos de ômega 3 no fígado. Foram pesquisados também os danos sofridos pelo fígado frente à dieta ocidental, que cada vez mais está relacionada à inflamação do fígado, fibrose, cirrose e, por vezes, insuficiência hepática. Os resultados foram surpreendentes, dizem os pesquisadores. A suplementação com DHA gerou mudanças expressivas observáveis no metabolismo de carboidratos, proteínas e aminoácidos, bem como no metabolismo lipídico.

Os resultados dos estudos indicam que suplementar com DHA é uma maneira de prevenir os danos do fígado causados pela dieta ocidental, que, geralmente, é baseada em um consumo excessivo de carne vermelha, açúcar, gordura e grãos processados. A pesquisa foi publicada na revista científica online PLoS One.

“Ficamos impressionados com a influência do ômega 3 e dos ácidos graxos (como o DHA) no organismo”, disse Donald Jump, professor da faculdade de OSU de Saúde Pública e Ciências Humanas. “A maioria dos estudos sobre esses nutrientes indica efeitos sobre o metabolismo lipídico e inflamação. Nossa análise metabolômica indica que os efeitos do ômega 3 vão além disso e inclui o metabolismo de carboidratos, aminoácidos e metabolismo das vitaminas”, acrescentou.

Recentemente, o ômega 3 tem sido objeto de pesquisa e muitas vezes com resultados conflitantes. As possíveis razões para as contradições são as quantidades de suplementos usados e a abundância relativa de dois ômega 3 comuns – DHA e EPA. Estudos em OSU concluíram que o DHA tem mais capacidade, quando comparado ao EPA, para prevenir a formação de metabolitos prejudiciais. Verificou-se que a suplementação de DHA reduziu até 65% das proteínas envolvidas em fibrose do fígado.

Os estudos foram realizados com animais de laboratório, que receberam um nível de suplementação de DHA equivalente a cerca de 2 a 4 gramas por dia, para uma pessoa de estrutura mediana. Na dieta, as fontes mais comuns de DHA são os peixes com mais teor de gordura, como salmão, cavala ou sardinha.

“Muitos estudos são feitos sobre doenças hepáticas, e estamos apenas começando a explorar o potencial do DHA na prevenção ou no retardamento da progressão da doença”, disse Jump, que também é pesquisador no Instituto Linus Pauling da OSU.

Tanto o diabetes quanto as doenças hepáticas aumentam de forma constante no Estados Unidos. Para Junmp, “o óleo de peixe, um suplemento comumente usado para fornecer ômega 3, normalmente não é prescrito para regular os níveis de glicose no sangue em pacientes diabéticos, mas nossos estudos sugerem que o DHA pode reduzir a formação de metabolitos de glicose nocivos associados a complicações diabéticas”.

A Fundação Americana do Fígado estimou que cerca de 25% da população do país, e 75% dos que são obesos, têm doença hepática gordurosa não alcoólica (esteatose hepática). Isso pode evoluir para esteato-hepatite não alcoólica, cirrose e câncer. Esse estudo estabeleceu que o principal alvo de DHA no fígado é o controle da inflamação, o estresse oxidativo e fibrose, que são as características mais graves dos problemas hepáticos.

Fonte: Essential Nutrition

Promoção lipo 6

Este é um queimador de perda de gordura super potente e concentrado que foi concebido para ajudar o seu corpo a perder peso rapidamente. Para ajudar a garantir o sucesso dos seus objetivos de dieta e perda de peso, o LIPO-6 Black Ultra Concentrate aumenta a taxa metabólica (Termogênese) que indica maior perda de gordura. Além de aumentar notavelmente a energia e estado de alerta que ajudará a mantê-lo durante horas seus treinamentos. Para garantir os efeitos ideais, todos os ingredientes desta poderosa fórmula são incorporados em cápsulas líquidas de absorção rápida.

Benefícios:

– Aumento do gasto energético;
– mobilização da gordura como fonte energética;
– acelerador de metabolismo;
– 350mg de cafeína anidra por porção;
– absorção em time release;
– aumento da capacidade de resistência e no desempenho de exercícios físicos;
– aumento do estado de alerta.

De: R$199,90
Por: R$134,90 à vista

LINK: https://www.nutresul.com.br/produto/lipo-6-black-ultra-concentrate-120-caps/2044

Combo aumento de peso econômico

Está precisando ganhar uns quilinhos extras???

O combo ganho de peso, traz as melhores composições de suplementos que tem destinação a aumentar o volume muscular, garantir uma boa demanda energética, suprir suas necessidades nutricionais de alguns macronutrientes necessários para que ocorra o ganho de peso.

A utilização do combo resultará nos seguintes benefícios:

– Aumento do peso corporal;
– Elevação da demanda energética;
– Maior hipertrofia muscular;
– Aumento do volume corporal;
– Acelera o ganho de massa muscular;
– Adequa os macronutrientes da dieta;

De: R$124,60
Por: R$79,90 à vista

LINK: https://www.nutresul.com.br/produto/combo-aumento-de-peso-economico/2447383

Molho de salada com óleo de coco

A principal forma de utilização do óleo de coco é no preparo e tempero dos alimentos, substituindo os outros óleos. Ele é considerado mais saudável para cozinhar, devido ao seu “smoke point” superior – temperatura à qual o óleo pode ser aquecido sem modificar-se, formando toxinas nocivas à saúde.

Em preparações cruas, apresenta sabor levemente adocicado, que fica mais suave em preparações quentes. Experimente misturá-lo também em sucos e nas receitas de bolos e doces.

INGREDIENTES

1/4 de xíc. (chá) de Óleo de Coco
1/4 de xíc. (chá) de azeite extravirgem”
1/4 de xíc. (chá) de vinagre de maçã (ou suco de limão)
1 col. (sopa) de água
1/2 col. (sopa) de sal
1 col. (café) de cúrcuma (opcional)
1 pitada de pimenta-do-reino

MODO DE FAZER

Junte todos os ingredientes em uma tigela e misture bem. Deixe descansar em temperatura ambiente por uma hora e, depois, guarde na geladeira. O molho pode ficar consistente sob refrigeração, por isso, retire da geladeira uma hora antes de servir ou aqueça no micro-ondas.

Experimente também substituir o óleo de coco por MCT, por ser ultrapurificado ele não solidifica em baixas temperaturas e possui um sabor neutro.

Rende: 20 colheres de sopa
Calorias por colher: 43

Precisando Óleo de coco ou MCT?
https://www.nutresul.com.br/produtos/triglicerideos-de-cadeia-media-mct/236

WHEY PROTEIN PODE REDUZIR RISCO DE DOENÇA CARDÍACA E AVC

Os fatores de risco de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais (AVC) podem ser reduzidos com a ingestão frequente de suplementos proteicos, descobriram cientistas da Reading University. Ao tomar um suplemento de proteína do soro do leite (whey protein), os participantes do estudo com hipertensão leve tiveram uma redução estimada de 8% no risco de doença cardíaca e acidente vascular cerebral.

Aqueles que tomaram o suplemento apresentaram pressão sanguínea e níveis de colesterol mais baixos, e vasos sanguíneos mais saudáveis. Ágnes Fekete, pesquisadora que realizou o estudo na Universidade de Reading, afirmou que “os resultados desta pesquisa mostram o impacto positivo que as proteínas lácteas podem ter sobre a pressão arterial”. Segundo a pesquisadora, estudos de longo prazo mostram que as pessoas que tomam mais leite tendem a ser mais saudáveis, mas até agora havia poucas pesquisas para avaliar como as proteínas lácteas afetam a pressão arterial em particular.

Impacto significante do whey protein para a saúde cardíaca e vascular

O estudo analisou o impacto de beber duas batidas (shakes) de proteína por dia durante oito semanas em uma série de marcadores de saúde cardíaca e vascular, incluindo pressão arterial, rigidez arterial e colesterol.

Aqueles que participaram do estudo duplo cego, randomizado e controlado, consumiram 56 g de proteína do soro do leite por dia, o que equivale a doses utilizadas pelos fisiculturistas. O estudo examinou 38 participantes com leve e pré-hipertensão, e encontrou uma série de efeitos positivos significativos em marcadores de saúde cardiovascular, incluindo:

Reduções significativas da pressão arterial (PA) ao longo das 24 horas após o consumo do whey protein. Para pressão arterial sistólica -3,9 mm Hg; para PA diastólica -2,5 mm Hg, em comparação com a ingestão de placebo.

Diminuição do colesterol total, um tipo de gordura encontrada na corrente sanguínea que em níveis elevados aumenta o risco de doença cardiovascular (-5%), em comparação com o placebo.

Diminuição de triglicerídeos, um tipo de gordura encontrada na corrente sanguínea que em níveis elevados aumenta o risco de doença cardiovascular (- 12%), em comparação com o placebo.

Whey protein: benefícios sem ganho de peso

Os desportistas de alto desempenho, incluindo os fisiculturistas, costumam tomar whey protein como parte de seus regimes de treinamento para ajudá-los a construir massa muscular. O whey protein contribuiu com 214 quilocalorias na ingestão diária de energia dos participantes do estudo – cerca de 10% da ingestão diária recomendada de calorias.

No entanto, não houve aumento significativo de peso durante o período de estudo de oito semanas porque os participantes trocaram a proteína por outros alimentos em sua dieta. O autor principal da pesquisa relatou que “um dos impactos importantes deste estudo é que o whey protein em uma dieta saudável pode reduzir os fatores de risco para as doenças cardiovasculares, embora sejam necessários mais estudos para confirmar esses resultados”.

O estudo foi publicado no American Journal of Clinical Nutrition e é acessível ao público gratuitamente.

Fonte: Essential Nutrition