Combo Whey dos deuses

Mais um sucesso de vendas está de volta!
E com o preço ainda melhor!

Composição do combo:
– 1 Whey Grego (900g) – Nutrata;
– 4 Sachês de Whey Grego (40g) – Nutrata
– 1 Coqueteleira Branca (600ml) Exclusiva Nutrata.

Descrição do combo:

Você já provou uma proteína que possui a textura e o sabor de um manjar dos deuses?

A WHEY GREGO, um produto inovador que traz mais sabor e prazer ao seu dia-a-dia, combinando teor nutricional e cremosidade para você que não abre mão de tudo isso em suas refeições. Obtido por um processo de filtragem diferenciado que confere a textura e o teor nutricional superior aos outros tipos de iogurte, o Grego original possui um elevado teor proteico associado a pouco carboidrato e gordura. Ideal para começar o dia com muita disposição e energia. Pode ser utilizado como pós treino, lanche ou ceia.

E para você aproveitar todos os sabores da sua whey grego, adquirindo o Combo Whey dos Deuses você leva:

– 4 sachês de sabores diferenciados;
– 1 Coqueteleira Branca exclusiva da Nutrata.

Benefícios:

– Aumento da Hipertrofia Muscular;
– Acelera o ganho de massa magra;
– Efetiva o aumento do metabolismo;
– Promove definição muscular.

De: R$ 164,90
Por: R$ 129,90

https://www.nutresul.com.br/produto/combo-whey-dos-deuses/2447199

Anúncios

Promoção Simfort

Simfort é um mix de probióticos (micro-organismos vivos) em sachês que traz diversos benefícios para a saúde e contribui para uma microbiota intestinal saudável. Contém cinco cepas: Lactobacillus acidophillus, Lactobacillus casei, Lactococcus lactis, Bifidobacterium lactis e Bifidobacteriumbifidum.

Alegação de propriedade funcional aprovada:

Os lactobacillus acidophilus, lactobacillus casei, lactococcus lactis, bifidobacterium bifidum e ifidobacterium lactis contribuem para o equilibro da flora intestinal. Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

Diferenciais:
– Resistente ao pH do estômago, como todas as bactérias ácido-láticas probióticas
Composto por lactobacilos e bifidobactérias – mais amplitude de atuação no TGI;
– Bactérias probióticas em quantidades ideais (1×109 UFC/g de cada um dos micro-organismos) – 5 bilhões de micro-organismos vivos;
– Cepas liofilizadas (processo que dispensa o acondicionamento em geladeira);
– Praticidade em formato de sachê.

DE: R$ 219,90
POR: R$ 149,90

https://www.nutresul.com.br/produto/simfort—probiotico-30-saches-2g-cada—2-unidades/2447706

Proteínas veganas e zero lactose

Quem não pode tomar whey protein tem boas opções para suplementar proteína. Descubra como elas são produzidas e como atuam no organismo.

Whey protein é a suplementação de proteína mais procurada por quem quer obter ganhos de massa muscular. Mas será a melhor opção para todos? Como o whey é o soro do leite, esta proteína não é uma opção aos alérgicos à derivados do leite ou pode causar dificuldade de digestão àqueles que apresentam intolerância à lactose. Além disso, há a questão dos muitos que optam por uma dieta vegana. Este texto vai abordar as opções de suplementação proteica que não têm o leite como base.

PROTEÍNA DA CARNE

A proteína isolada da carne bovina tem 14x mais L-glicina e 4x mais L-arginina que a proteína do soro do leite. Estes aminoácidos são precursores da Creatina, que é utilizada pelo organismo para fornecer energia durante os exercícios físicos intensos e de curta duração. A L-arginina também tem função na recuperação de tecidos. Além disso, também contém os aminoácidos BCAA, fundamentais para a ativação da produção de proteínas musculares.

Assim como no whey protein, é importante observar algumas características da proteína da carne para que sua performance seja eficiente. Quando hidrolisada e em peptídeos, por exemplo, sua digestibilidade, absorção e aproveitamento são superiores.

Mas e o sabor, é de carne? Diferente do que imaginamos, quando a proteína da carne é obtida utilizando a tecnologia a seu favor, o resultado é uma proteína que pode ser combinada à sabores doces, como chocolate, banana, ou seja, não tem sabor de carne! Suplementos sem açúcar e feitos com aromas e adoçantes naturais proporcionam ainda mais benefícios.

Ao optar por esta proteína é preciso também se atentar para a dieta do gado, evitando aqueles alimentados com hormônios, antibióticos ou pastagens geneticamente modificadas. Também devem ser observadas as quantidades de gordura, colesterol e sódio.

PROTEÍNAS VEGETAIS

Estima-se que cerca de 5 milhões de brasileiros são adeptos a dieta vegana. Para estes, tanto o whey protein quanto a proteína da carne não são opções válidas. A escolha deve então recair sobre suplementos com proteína extraída de fontes vegetais. Algumas destas fontes apresentam perfil de aminoácidos com grande similaridade e equivalência aos aminoácidos de origem animal.

A combinação de proteína isolada da ervilha amarela com proteína da amêndoa, por exemplo, além de suplementar proteína, proporciona a melhora do perfil lipídico, auxiliando na função cardiovascular. Atua também no controle glicêmico e ajuda na sensação de saciedade.

O suplemento pode ainda receber vitamina D3 exclusivamente vegana, já que pessoas adeptas a esta dieta, normalmente possuem carência desta vitamina. Os suplementos de proteína vegetal podem ainda oferecer vitaminas, minerais, enzimas e compostos bioativos de ação antioxidante, anti-inflamatória e antimicrobiana.

E, assim como nos demais suplementos proteicos, os de origem vegetal dispensam o uso de açúcar, adoçantes artificiais e aromatizantes artificiais para ficar delicioso. Sabores como cacau, banana com canela e baunilha são bem populares.

ARROZ E SOJA

As proteínas do arroz e da soja também são opções aos veganos e vegetarianos, no entanto, existem algumas ressalvas que devem ser observadas. No caso do arroz, diferente de outros cereais, o risco é de contaminação. Cultivado em solos inundados, seus grãos podem conter traços do metal pesado arsênio, que é mobilizado pelo excesso de água. Já a soja não seria a melhor opção por ser quase totalmente produzida a partir de grãos modificados geneticamente, que permitem o maior uso de herbicidas.

CONCLUINDO

Seja extraída de carne bovina, de vegetais ou mesmo de leite, a suplementação proteica é uma boa opção para praticantes de atividade física que querem maximizar o ganho de massa muscular. Também pode ser de grande ajuda para combater a sarcopenia, que é a perda natural de massa muscular com o passar dos anos.

Em todos os casos, é preciso ficar atento à qualidade dos ingredientes que compõem o suplemento de proteína escolhido. Itens como aromatizantes artificiais, açúcar e glúten não combinam com um alimento com função tão importante.

Gostou deste texto? Quer receber mais informações importantes para a sua saúde diretamente no seu e-mail? Cadastre-se em nossa newsletter!

Conheça nossos produtos veganos: https://www.nutresul.com.br/produtos/produtos-veganos/231

Proteína da carne: https://www.nutresul.com.br/produtos/proteina-da-carne-vermelha/136

Sorvete de whey protein

Nada melhor que um sorvete bem fresquinho e livre de culpa para se provar em qualquer horário do dia, ainda mais nesse calor!

INGREDIENTES (2 porções)

1 banana
2 medidores (60g) de Whey Protein sabor Chocolate
1 iogurte natural (170g)
1 colher de chá de pó de cacau
Amendoim moído
Raspas de chocolate amargo (70% para cima para dar um sabor extra)

MODO DE PREPARO

Bata todos os ingredientes no liquidificador

Coloque a mistura no freezer por cerca de 3 horas (se possível, mexa a mistura algumas vezes nesse meio tempo)

Ao servir adicione as raspas de chocolate e amendoim o amendoim moído

Desafio dos 21 dias

Muitas pessoas já pagaram um ano de academia e na segunda semana desistiram e nunca mais voltaram. Outras fizeram diversas dietas e não conseguem manter um dia sequer.

Isso ocorre frequentemente, pois a maioria se mantém determinado por 1 semana no máximo e logo perco o foco e determinação.

O Desafio dos 21 dias serve justamente para evitar isso, saiba mais:

Neurocientistas confirmam: em 21 dias você reprograma o seu cérebro!

Por que 21?
21 dias para mudar e transformar.
21 dias para ser uma pessoa mais feliz e de bem com a vida. 21 dias para começar a fazer yoga.
21 dias para meditar. 21 dias para mudar os hábitos alimentares…
21 dias para abandonar e quebrar um hábito, como parar de comer carne, parar de fumar, parar de criticar, adotar condutas altruístas… etc.

Tudo o que você precisa são 21 dias de determinação e disciplina fazendo ou deixando de fazer determinada coisa.

Você sabia que tudo o que você conquistou, assim como o seu padrão de pensamento e comportamento, estão relacionados aos seus hábitos? Ou seja, os seus hábitos influenciam diretamente a sua vida.

Os hábitos são, essencialmente, padrões de comportamentos e acabam se tornando uma parte do que somos.

Quando algum comportamento se repete o cérebro cria vias sinápticas mais rápidas, de maneira que uma ação aciona a ação seguinte, de forma quase automática.

É esse o desafio que iremos propor para vocês!
21 dias de determinação para transformar, seja na academia ou onde for.

Benefícios do DHA

Estudos dos efeitos metabólicos dos ácidos graxos ômega 3, em especial o DHA, concluem que esses compostos podem ter mais benefícios para o nosso organismo além dos que já conhecemos. Foi descoberto agora que atuam na prevenção de doenças do fígado.

A pesquisa, feita por cientistas da Universidade do Estado de Oregon e outras instituições, foi uma das primeiras de seu tipo a usar metabolômica, uma análise de metabólitos que refletem os efeitos biológicos de ômega 3 no fígado. Foram pesquisados também os danos sofridos pelo fígado frente à dieta ocidental, que cada vez mais está relacionada à inflamação do fígado, fibrose, cirrose e, por vezes, insuficiência hepática. Os resultados foram surpreendentes, dizem os pesquisadores. A suplementação com DHA gerou mudanças expressivas observáveis no metabolismo de carboidratos, proteínas e aminoácidos, bem como no metabolismo lipídico.

Os resultados dos estudos indicam que suplementar com DHA é uma maneira de prevenir os danos do fígado causados pela dieta ocidental, que, geralmente, é baseada em um consumo excessivo de carne vermelha, açúcar, gordura e grãos processados. A pesquisa foi publicada na revista científica online PLoS One.

“Ficamos impressionados com a influência do ômega 3 e dos ácidos graxos (como o DHA) no organismo”, disse Donald Jump, professor da faculdade de OSU de Saúde Pública e Ciências Humanas. “A maioria dos estudos sobre esses nutrientes indica efeitos sobre o metabolismo lipídico e inflamação. Nossa análise metabolômica indica que os efeitos do ômega 3 vão além disso e inclui o metabolismo de carboidratos, aminoácidos e metabolismo das vitaminas”, acrescentou.

Recentemente, o ômega 3 tem sido objeto de pesquisa e muitas vezes com resultados conflitantes. As possíveis razões para as contradições são as quantidades de suplementos usados e a abundância relativa de dois ômega 3 comuns – DHA e EPA. Estudos em OSU concluíram que o DHA tem mais capacidade, quando comparado ao EPA, para prevenir a formação de metabolitos prejudiciais. Verificou-se que a suplementação de DHA reduziu até 65% das proteínas envolvidas em fibrose do fígado.

Os estudos foram realizados com animais de laboratório, que receberam um nível de suplementação de DHA equivalente a cerca de 2 a 4 gramas por dia, para uma pessoa de estrutura mediana. Na dieta, as fontes mais comuns de DHA são os peixes com mais teor de gordura, como salmão, cavala ou sardinha.

“Muitos estudos são feitos sobre doenças hepáticas, e estamos apenas começando a explorar o potencial do DHA na prevenção ou no retardamento da progressão da doença”, disse Jump, que também é pesquisador no Instituto Linus Pauling da OSU.

Tanto o diabetes quanto as doenças hepáticas aumentam de forma constante no Estados Unidos. Para Junmp, “o óleo de peixe, um suplemento comumente usado para fornecer ômega 3, normalmente não é prescrito para regular os níveis de glicose no sangue em pacientes diabéticos, mas nossos estudos sugerem que o DHA pode reduzir a formação de metabolitos de glicose nocivos associados a complicações diabéticas”.

A Fundação Americana do Fígado estimou que cerca de 25% da população do país, e 75% dos que são obesos, têm doença hepática gordurosa não alcoólica (esteatose hepática). Isso pode evoluir para esteato-hepatite não alcoólica, cirrose e câncer. Esse estudo estabeleceu que o principal alvo de DHA no fígado é o controle da inflamação, o estresse oxidativo e fibrose, que são as características mais graves dos problemas hepáticos.

Fonte: Essential Nutrition

Molho de salada com óleo de coco

A principal forma de utilização do óleo de coco é no preparo e tempero dos alimentos, substituindo os outros óleos. Ele é considerado mais saudável para cozinhar, devido ao seu “smoke point” superior – temperatura à qual o óleo pode ser aquecido sem modificar-se, formando toxinas nocivas à saúde.

Em preparações cruas, apresenta sabor levemente adocicado, que fica mais suave em preparações quentes. Experimente misturá-lo também em sucos e nas receitas de bolos e doces.

INGREDIENTES

1/4 de xíc. (chá) de Óleo de Coco
1/4 de xíc. (chá) de azeite extravirgem”
1/4 de xíc. (chá) de vinagre de maçã (ou suco de limão)
1 col. (sopa) de água
1/2 col. (sopa) de sal
1 col. (café) de cúrcuma (opcional)
1 pitada de pimenta-do-reino

MODO DE FAZER

Junte todos os ingredientes em uma tigela e misture bem. Deixe descansar em temperatura ambiente por uma hora e, depois, guarde na geladeira. O molho pode ficar consistente sob refrigeração, por isso, retire da geladeira uma hora antes de servir ou aqueça no micro-ondas.

Experimente também substituir o óleo de coco por MCT, por ser ultrapurificado ele não solidifica em baixas temperaturas e possui um sabor neutro.

Rende: 20 colheres de sopa
Calorias por colher: 43

Precisando Óleo de coco ou MCT?
https://www.nutresul.com.br/produtos/triglicerideos-de-cadeia-media-mct/236